A prima do meu marido

SUZANA - A PRIMA DO MEU MARIDO ? Parte I



Meu nome é Ana e do meu marido é o Hugo. Os nomes são parecidos, mas fictícios. Somos casados há dez anos e não temos filhos por opção. Estudo marketing e faço estagio numa empresa de publicidade. Ele é advogado, trabalha num escritório associados com outros advogados.. Moramos num apartamento próximo da praia. Acho que somos um casal normal, temos nossa vida organizada, estruturada, na vida sexual, temos nossas fantasias. Recentemente Hugo me presenteou com uma vestimenta de mulher dominadora. Achei interessante. Um noite vesti-me com aqueles trajes e brincamos bastante de dominadora e submisso e depois transamos como nunca. Vez em quando vestia aquele traje nos divertíamos muito. Passei adora em mandar no meu marido. Ele disse que era para apimentar o nosso relacionamento sexual e não ficar frio e sem emoções. Um belo dia a prima do meu marido chamada Suzana, veio morar em nossa cidade e logo arranjou trabalho numa empresa de telefonia. Tinha conhecido no dia de meu casamento, depois, raramente a via. Ela era morena, cabelos longos, mais ou menos 1,65 de altura, corpo bem feito, seios médios e duros, bunda de fazer inveja, coxas e pernas grossas e muito extrovertida. Meu marido falou dela para mim e de que gostaria de convidá-la para ir em nossa casa para jantar ou beber alguma coisa. Aceitei a proposta, pois muito pouco tive convivência com Suzana.. Numa sexta feira, por volta das oito horas, ela chegou, foi direta do trabalho. Estava de cabelos presos, vestia uma calça azul acentuando bem seu corpo e uma blusa branca com um decote generoso e quando se abaixava mostrava que estava sem sutiã. Sentou-se na poltrona em nossa frente e começamos a bater um papo gostoso, enquanto eu arrumava uns coisas para a gente beber e comer. Meu marido e ela relembraram do passado na cidade onde tinham nascido e residido, tais como, bailes, festas, passeios, namoros, em fim fofocaram bastante. Por volta das vinte três horas ela disse que estava cansada e resolveu ir embora. Meu marido se propôs levá-la até sua casa. E fomos os três levá-la em casa. No caminho ela pediu para quando nos fossemos a praia a levasse junto, inclusive nos saíssemos a noite, pois tinha pouca amizades na cidade. No retorno o meu marido perguntou-me o que achei dela. Disse que era legal, bonita, extrovertida, simpática. O assunto morreu por ai. A partir desse dia, vez Suzana ia lá para casa ou então me telefonava para saímos juntas, irmos ao shopping fazer compras, tomar um chopp, etc.. Um belo dia, Susana me telefonou convidou-nos para ir uma festa de aniversário de um colega de trabalho, que seria realizado num restaurante próximo a praia e perguntou se eu e Hugo não gostaríamos de ir. Sem me dar o trabalho de falar com o meu marido, confirmei a nossa presença na tal festa e depois falei para ele. No dia marcado fomos ao encontro de Ana que estava na porta do prédio onde morava. Vestia um longo preto, colante que realçava seu corpo, principalmente sua bunda e o decote mostrava os seios exuberantes. Virei para Hugo e disse que ela seria a mulher mais linda da festa. Fiquei até um pouco com inveja. Pois eu estava com uma saia curta e uma blusa básica e me senti sem atrativos. Chegamos no local da festa e ao entrarmos Ana nos apresentou ao aniversariante e fomos para um canto onde havia uma mesa vazia. Um DJ tocava baladas de sucesso. Alguns colegas de trabalho de Ana viera tira-la para dançar, por conseqüência nos apresentou a eles.Aproveitei e fiquei dançando como Hugo próximo de nossa mesa. Tava tudo ótimo. Vocês sabem como são as noitadas, os homens pouco dançam, as mulheres caem na farra e eles só ficam olhando. Na pista de dança, Susana com os amigos, de repente veio para junto de nossa mesa. Já tínhamos tomados umas boas taças de vinho. A coisa tava ficando quente. Interessante, quando ela dançava se abaixava na minha frente e seus seios ficam a mostra, aquilo me excitava. Realmente eram lindos. Outras vezes ela se encostava em meu corpo como se estivesse se esfregando no meu. Achava que não havia maldade na forma dela dançar, pois, outras mulheres dançavam de forma igual. Nisso chegou uma colega de Susana e passou a dançar com a gente e fazia de forma bem erótica. Chamava-se Dora, era loira, de estatura média, bonita de corpo e bem alegre. Ficamos batendo um bom papo. e passou a dançar mais voltada para Susana, parecia que ambas se esfregavam uma na outra, os rostos ficam bem pertinho, pareciam que iam se beijar e falavam baixinho e sorriam e olhavam para mim e meu marido. Num determinado momento parei de dançar e voltei para a mesa. Sentei e pedi um coquetel de frutas com vodka. Quando Susana voltou para a mesa veio em companhia da Dora. Hugo encontrou dois amigos e ficou conversando com eles. Sem que eu esperasse, Susana me pegou pela mãos, levantou-me e passou a dançar comigo próximo da mesa e ficamos as três dançando, observei que as duas dançavam para mim de forma bem sensual, dizendo que iam me ensinar dançar igual a elas. Confesso que sou um pouco dura para dançar. Tudo estava muito alegre e descontraído, principalmente depois do coquetel que bebemos. Minha cabeça girava, afinal não estava muito acostumada em ir para aquele tipo de festa e ficar dançando a noite toda. Cansei e fui sentar-me na mesa. Susana e Hugo disseram que iam a banheiro. Dora também parou de dançar e sentou-se na mesa e pegou o seu copo com vodka e tomou um longo gole de e colocando uma de suas mãos numa das minhas coxas, disse que eu era muito bonita e atraente. Retribui dizendo que ela tinha um rosto lindo e corpão exuberante. Então ela ainda com uma das mãos na minha coxa, disse que meu marido era um privilegiado, tinha uma mulher que era um tesão. Como havia um maço de cigarro e isqueiro na mesa, Dora então tirou um cigarro e foi acendê-lo, o isqueiro escapuliu de sua mão e caiu no chão, Dora imediatamente abaixou-se para procurá-lo, segurando com as mãos em uma das minhas coxas, se abaixou e ficou debaixo da mesa procurando-o e dizendo que não havia ainda encontrado. Nisso senti as mãos de Dora acariciando minhas pernas e minhas coxas. Tiver um grande arrepio e fiquei assustada e nervosa. Abaixei e tentei tirar as mãos de Dora das minhas pernas e perguntei-lhe se não havia achado o isqueiro. Ela disse que não que ainda tinha encontrado, mas que tinha encontrado uma outra coisa muito melhor e linda e continuava acariciando minhas pernas e coxas. Então me abaixei e disse para ela que iria ajudá-la encontra o isqueiro. Nos duas debaixo da mesa, ela agarrou meu rosto me deu um selinho nos meus lábios. Fiquei surpresa, mas senti uma sensação estranha. Imediatamente me levantei.. Ela então disse que tinha encontrado o isqueiro. Estava com um sorriso bem malicioso nos lábios e me disse que eu tinha umas coxas e pernas lindas. Tremi quando ela falou isso. Ai, Hugo e Susana voltaram para a mesa, vinha conversando e sorrindo. Minha cabeça estava rodando. Pensei na atitude de Dora e conclui que ela podia ser lésbica ou bisexual.



Continua.



Paulo Cesar

Gostou? Vote no Conto:

09/12/2011 | 43009 visitas

 

Contos Eróticos Relacionados

Vestido branco e salto 10cm

 

Comentários



    :D :P: :afff: :confiante: :convencido: :convite: :decepcionado: :derrota: :descrente: :encucado: :fascinado: :lagrima: :legal: :meia-boca: :no:

    confirmacao
    Obs: Todos os campos são obrigatórios
     
     
    porno flagras sexo anal