Comendo a mulher do Deputado

Tudo aconteceu quase sem querer no ano passado. Somos vizinhos de apartamento, sou casado e tenho uma filhinha. Meu amigo deputado também casado, tem uma filha que gosta de brincar com a minha. Sou um cara com 1,67 de altura e uma pequena barriga causada pela idade e pela cerveja, minha mulher tem mais ou menos 1,50cm e pesa uns 55 quilos.

Meu amigo deputado, menos barriga que eu, também causado pela cerveja. Sua mulher tem, pele branca, cabelos compridos, quase minha altura e um corpo muito bonito, tipo da mulher gostosa com uma bunda muito linda, de parar o trânsito. Eles têm um sítio e em alguns finais de semana, alguns vizinhos se reúnem lá.

Bem, vamos aos fatos. Em abril do ano passado, meu amigo deputado precisou viajar para o interior no final de semana, e quando isso acontece o sítio fica liberado para nós, bons vizinhos. Bom, nessa semana fomos eu, minha mulher e minha filha, a mulher do deputado que chamarei de Mariazinha, sua filha e mais um casal de amigos que não tem filho. No sábado chegamos no sítio e após o almoço sentamos na sombra de uma árvore para conversar, quando o assunto chegou a filmes de sacanagem. Minha mulher comentou que eu gostava desses tipos de filme e ela não e que em casa tinha um aparelhinho que liberava esse canal (somos assinantes de TV a cabo). Na hora a Mariazinha perguntou se eu emprestaria pra ela esse tal aparelhinho. Respondi que não, pois o deputado poderia não gostar e coisa e tal. Ela insistia e eu não concordava. Mudamos de assunto e continuamos na cervejinha. No domingo, estava sozinho na piscina quando a Mariazinha se aproximou e perguntou se eu emprestaria o aparelhinho pra ela e eu negando sempre, em consideração ao marido dela, que poderia não gostar. Assim foi durante algumas semanas, ela me pedia e eu negava. Eu até sugeria que eles alugassem um DVD para assistir e ela dizia que o marido era contra.

Numa certa semana de abril, a babá da nossa filha teria que ir ao médico e minha mulher pediu que eu ficasse com nossa filhota naquele dia. Como eu trabalho autônomo, concordei. Ficaria para tomar conta da criança. Lá pelas oito horas da manhã, a campainha toca e quando eu vou atender, era a Mariazinha com sua filha, me perguntando pela empregada, eu disse que naquele dia ela não viria. Perguntou se as crianças poderiam brincar um pouco que ela iria para a academia. Eu disse que a babá faltou mas as duas poderiam brincar sim e pedi que a criança entrasse e fosse brincar no quarto da minha filha, pois lá a bagunça estava liberada. A criança dela começou a chorar pedindo que a mãe não fosse embora. Eu ainda sem maldade falei entra um pouquinho até ela se acostumar depois você sai. Ela sentou na sala e a filhinha dela foi pro quarto brincar com a minha. Acho que só aí começou a malícia e perguntei Mariazinha porque você vai pra academia, você não precisa, está tudo no seu devido lugar. Se eu fosse o deputado você não sairia assim, você é de parar o trânsito. Ela respondeu, há isso é coisa de mulher, temos que manter a forma, tua mulher que não precisa, eu sim. Soltei outras gracinhas e perguntei, escuta, vocês já compraram a tal pecinha do canal de sacanagem. Ela respondeu que não, me empresta o teu e eu juro que não contarei pra ninguém nem pra tua mulher, depois ela me deu um susto quando me perguntou de cara, escuta, me fala com sinceridade, quando você vê estes filmes você se masturba? Eu meio sem graça disse sim, as vezes. Ela ela perguntou, qual é a graça nisso, não é melhor com uma mulher?

Aí eu já apelei e respondi, sabe qual é o bom de uma punheta, é que o cara come quem ele quiser, basta pensar numa mulher gostosa que é quase a mesma coisa. Aí ela perguntou em qual mulher eu pensava, já que a minha apesar de ser pequena é muito bonita e também chama a atenção quando passa.

Eu disse já excitado, já pensei até em você, e foi naquele domingo no sítio quando você me pediu o aparelhinho, não sei se você percebeu, mas eu sumi por alguns minutos e fui ao banheiro tocar uma em sua homenagem. Ela disse sorrindo, não acredito que você fez isso. Eu disse que eu fiz e podes crer foi uma delícia. Então ela perguntou, e tua mulher não desconfiou de nada? Eu disse claro que não jamais contaria isso a ela ou pra alguem. Essa nossa conversa já levava quase meia hora e percebi ela preocupada com sua filhinha no quarto com a minha. Perguntei o que foi? Ela respondeu, minha filha pode ouvir e comentar com o pai dela, e eu disse que se ela escutasse alguma coisa ela não iria entender. Ela disse, pois sim minha filha é muito esperta. Aí eu propus, vou ligar o ar condicionado e fechar a porta do quarto.

Me levantei, fui ao quarto das crianças, liguei o ar condicionado e fechei a porta com a chave sem ela perceber. Quando voltava pra sala percebi que a mulher do deputado olhou direto pro meu cacete, pois era visível minha ereção, eu usava um calção sem cueca. Não comentei nada e voltei ao assunto que falávamos antes dizendo de cara, agora você me conta com sinceridade, você já se masturbou alguma vês? Ela disse que não porque mulher não pratica muito isso. Então eu falei rindo pra ela, acho que sei porque você não toca siririca? É porque sua mão é pequena para cobrir esse seu capô de fusca que está molhadinho. Ela tomou um susto quando eu disse isso e respondeu colocando a mão em cima da boceta dela, imagina nem é tão grande, abriu as pernas se curvando um pouco e completou, não tem nada molhado aqui. Percebi que era o momento e dei a última cartada perguntando se ela toparia assistir comigo um filme com meu aparelhinho para ver como funcionava. Ela disse tu tá doido, minha filha pode aparecer derrepente, e eu disse aparece não porque eu tranquei a porta do quarto por fora e se sua filha quiser sair eu desligo a TV, e já fui pegando o controle e ligando. Logo apareceu uma cena de um casal fazendo um 69, ela deu o risinho, mas ficou assistindo vidrada. Eu onde estava sentado fui me acomodando pro meu pau ficar mais a vontade. Quando o cara gozou no rosto da mulher minha vizinha fez uma cara de nojo dizendo credo, então eu disse com malícia, porra você até sentiu o gosto. Agora me responde uma coisa, isso te excitou? Ela respondeu, há não sei. Eu disse, eu apontei pro meu calção e disse, fico logo excitado olha só. Ela virou pra mim e disse, hei menino para com isso olha as crianças. Eu apertei meu pau e disse, tá guardado, não vê que estou de bermuda? Ela olhou por alguns segundos respirou fundo, se virou pra televisão que já tinha outro casal no boquete. Então numa atitude já de loucura coloquei meu pau duro pra fora da bermuda e falei, Mariazinha dá uma olhada agora. Quando ela se virou pra mim, viu meu pau durão e me jogou uma almofada dizendo cobre isso e voltou-se pra assistir o filme.

Me levantei, fiquei na frente dela que olhou com o canto do olho dizendo, seu doido para com isso e continuou vendo o filme. Me abaixei e beijei o pescoço dela bem devagarinho e fui beijando até chegar na boca. Fui correspondido na hora e quando nos soltamos ela sem se levantar murmurou algo que eu não entendi. Fiquei de pé em sua frente, peguei com carinho sua cabeça com as duas mão, virei pra direção do meu pau, quando ela viu baixou a cabeça e disse não, bem baixinho. Eu insisti e falei, só um pouquinho e fiz pressão contra meu pau que já latejava, ela deu um beijo de boca fechada na cabeça do meu cacete e continuei segurando sua cabeça bem perto do meu pau, derrepente ela me olhou, fechou os olhos, abriu a boca carnuda e bem desenhada, botou só a cabecinha da minha pica e deu uma chupadinha que me levou nas nuvens. Derrepente ela engoliu todo meu pau me fazendo delirar. Tirei meu pau de sua boca e fiz ela ficar de pé, nos beijamos de novo, agora nos abraçando. Fui me abaixando até seus seios, levantei sua blusinha e beijei e chupei os dois bem lentamente. Fui baixando mais ainda e beijei sua boceta por cima da roupa de ginástica. A mulher do deputado pedia pare, olha as crianças, acho melhor a gente parar com isso. Na sala mesmo, baixei a roupa da Mariazinha e vi uma calcinha vermelha bem pequena, beijei em cima da calcinha e pude sentir o cheiro de um perfume afrodisíaco vindo daquela boceta que eu ainda não acreditava, seria minha naquele dia. Ainda por cima da calcinha dei uma mordiscada bem suave, passei a linguá por cima do tecido, a Mariazinha deu um gemido e mais uma vez pediu cuidado com as crianças. Eu quase já não houvia mais nada. Tirei seu tênis, sua lycra e por último a calcinha. Deparei-me com uma boceta depilada com um bem feito desenho de um coração de pentelhinhos bem perto do reguinho. Fiz a mulher do deputado sentar de novo e passei a lamber, chupar e fazer tudo com minha língua naquela xaninha toda molhadinha. Parei de chupar para respirar e ela pegou minha cabeça e forçou contra sua boceta, dizendo me chupa bem gostoso, e antes que eu voltasse a me deliciar naquela xana peladinha eu perguntei, Mariazinha quem foi o autor dessa obra de arte nessa boceta deliciosa? Ela falou, o quê? Eu disse esse coraçãozinho. Ela respondeu quase delirando, foi no salão da minha amiga, você gostou? Adorei eu respondi e já fui baixando e chupando sua boceta, fiquei de joelhos tirei minha bermuda e encaixei meu pau quase gozando naquela xana decorada com um coração. Comecei a bombar lentamente e a mulherzinha do deputado que agora já era minha, me pedia, vem com força, me fode vem, eu preciso disso. Acho que pelo medo de sermos visto, gozamos muito rápido, nos recompomos logo e vestimos nossas roupas. A Mariazinha rapidamente, foi até o quarto e levou sua filha sem dizer uma palavra. Mesmo morando no mesmo prédio e no mesmo andar, ficamos quase um mês sem falar um com o outro.

Desculpe os erros no português. No próximo conto em escrevo como foi nosso próximo encontro. Meu e-mail é





COMENDO A MULHER DO AMIGO DEPUTADO - PARTE 2



Bem, continuando o conto anterior, como eu disse, fiquei sem ver a mulher do deputado por quase um mês, até por que eu viajei a serviço, como disse antes sou trabalhador autônomo. Quando voltei da viagem, encontrei com meu amigo nas escadas do prédio onde moramos, por ser no terceiro andar, sempre dispenso elevador. Combinamos em assistir a um jogo com outros vizinhos tomando uma cerveja na área onde moramos. No sábado fomos ao sítio dele e inevitavelmente, eu e a Mariazinha nos cumprimentamos sem muitas formalidades, já que pelo prédio não cruzamos um com o outro. Acho que nosso receio era demonstrar para alguem o que tinha acontecido. O dificil foi ficar sozinho com ela, quando não era minha mulher por perto, era o deputado. Mas aconteceu uma chance rápida. Estavamos na piscina, ela com a filhinha dela e eu com a minha. A Mariazinha já tinha tomado algumas e olhei se a barra tava limpa e perguntei. Voce sumiu? Ela disse sorrindo, voce é que sumiu, parece que ficou com medo? Sem muitos arrudeios eu disse, te quero de novo, posso ligar pra voce na segunda? Só se for de telefone público, pois meu marido repara todas as ligações que sai ou chega lá em casa e no meu celular, sabe como é vida de político. Eu falei, te ligo segunda bem cedinho. Pronto, depois desse inicio era só esperar. Curtimos o final de semana tudo em familia.

Na segunda-feira, depois de levar minha mulher ao trabalho dela, voltei em casa com a desculpa de precisar telefonar para alguns clientes, parei num orelhão, liguei para a Mariazinha e de imediato ela disse, estou saindo para ir ao Carrefour e vou te esperar no estacionamento de baixo. Na nossa cidade tem um supermercado com estacionamento no sub-solo. Rapidamente desliguei o telefone e segui até o local combinado. Dei uma procurada e localizei o carro da Mariazinha, dei um sinal, de luz, ela saiu do carro e entrou no meu. Logo perguntei, cadê sua pequena? Ela disse ficou em casa com a empregada. Em seguida ela pediu para eu me afastar do carro dela. O meu tem película bem escura. Como era de manhã o estacionamento tinha muitas vagas. Parei noutro lugar e perguntei, e aí tudo bem? Tudo, disse ela, e voce? Eu respondi, ficou melhor agora, voce está cada vez mais... . Ela perguntou mais o que? Gostosa, eu disse, e em seguida, sem ela esperar dei-lhe um beijo que foi logo correspondido. Quando nos afastamos ela disse, devo está ficando louca, se o fulano descobre estaremos ferrados. Eu disse, só se voce contar para alguem. Alisei a perna da Mariazinha e falei, voce fica muito gostosa nessa roupa. Ela trajava uma calça jeans preta colada e uma camiseta. E completei, se não fosse essa roupa apertada eu te possuia aqui mesmo. Nos beijamos e sabem como é mão de homem. Comecei a tocar todo o corpo da Mariazinha, tirei sua camiseta, chupei seus peitinhos e ela dizia, pare, alguem pode aparecer. Ela pedia mas não segurava minha mão. Apesar de o ar do carro está ligado, o clima esquentou, deitamos os bancos e era mais ou menos 10 da manhã. Já estávamos com as calças abertas, a Mariazinha me punhetando e eu acariciando sua bucetinha por cima da calça, ainda nos beijando, forcei um pouco para baixar sua calça, ela ajudou com o corpo e tirou toda a roupa e eu a minha, ficamos só com nossas roupas de baixo. Afastei sua calcinha pro lado e comecei a chupar a buceta dela, que delícia e ela dizia baixinho, pare alguem pode nos ver. Deixei a Mariazinha totalmente nua e para minha surpresa, ela estava com outro desenho feito em seus pentelhinhos, era um morango, isso só dobrou meu tesão junto com o mêdo de sermos visto, entre uma chupada e outra fiquei admirando aquele desenho. A mulher do meu amigo deputado que naquele momento já era minha de novo, forçou eu deitar no meu banco e fez um boquete engolindo todo meu pau, que não é exagerado, eu diria que tem o tamanho padrão mais é um pouco grosso. Ela engolia com uma facilidade incrível, coisa que minha esposa não consegue. Agora foi minha vez de pedir, pare um pouquinho minha gostosa senão acabo gozando. Ela parou de me chupar e veio deitar em cima de mim. Com a buceta dela molhadinha como estava, meu pau foi logo engolido por aquele moranguinho. Ela mexia lentamente e logo gozamos juntos. Depois ficamos uns minutos sem se mexer. Relaxamos um pouco, nos limpamos depois vestimos nossas roupas. A mulher do meu amigo deputado então pediu que nós saíssemos dali para disfarçar. Demos uma pela área e durante nossa conversa, falei, posso te fazer uma pergunta não muito discreta? Pode ela falou.

Me desculpa se eu ofender voce Mariazinha, como é a sua relação com o deputado? Eu quero dizer como marido e mulher?. Então pra minha surpresa ela perguntou, voce que saber na cama? Não é muito boa, ele sempre chega tarde e se dizendo cansado. A idéia daquela pecinha de filmes de sacanagem foi, como eu disse pra ele, pra ver se ele criava coragem, mas nem assim ele quer. Acho que ele deve ter outra. Pra voce ter uma idéia, as vezes ele fica dois meses sem me procurar, por isso sinceramente te falando, eu não me arrependo nenhum pouco do que está acontecendo com a gente. E eu perguntei pra ela. Mariazinha, voces já foram a algum motel? Ela respondeu, nem quando namoravamos, pra voce ter uma idéia, o único lugar que transamos fora nossa casa é as vezes no sítio e geralmente ele está trêbado e só me machuca. Então eu completei pegando na bucetinha dela, minha gostosa, uma mulher como voce é pra se comer em todo lugar que der vontade. Na sala, na cozinha, na escada e onde mais der vontade. Aí ela me perguntou, com sua mulher voce faz assim como está falando? Eu disse, Mariazinha, minha mulher fisicamente é diferente de voce em tudo, mas pra voce ter uma idéia, as vezes quando a gente sai pra alguma balada e volta pela madrugada, nós transamos até nas escadas do prédio e até no capô do meu carro já demos uma. Voces são doidos, ela disse.

Se voce fosse minha mulher eu não te daria descanso, a propósito meu moranguinho, quando eu vou levar voce pra conhecer um motel? Eu quero ter voce todinha sem temer que alguem nos veja. A Mariazinha respondeu meio sem querer querendo, eu não sei, pode ser perigoso alguem pode nos ver. E eu disse, alguem está vendo a gente agora? Meu carro tem vidros escuros e ninguem vai saber que somos nós. Aí a Mariazinha falou, o Deputado vai viajar na outra semana e se me der coragem eu ligo pra voce. Nos beijamos com um longo beijo, peguei na mão da Mariazinha e botei em cima do meu pau e falei, só de pensar na chance de irmos ao motel voce me deixa louco. Ela disse, tá bom nós vamos ao motel na outra semana, agora me deixa de volta no estacionamento, mas vai devagar pra ver se não tem nenhum conhecido. Deixei a Mariazinha próximo ao carro dela e voltamos nossas atividades. No próximo relato contarei como foi nossa ida ao Motel.

Gostou? Vote no Conto:

02/12/2010 | 22836 visitas

 
 
 
gostosas amadoras amadoras